VOCÊ NÃO ESTÁ NA PÁGINA PRINCIPAL. CLIQUE AQUI PARA RETORNAR





domingo, maio 21, 2006

Capítulo 4

Vida Estudantil



No College de la Marche, em Paris, havia um famoso professor que preferia ensinar principiantes ao invés de alunos mais adiantados. "Prefiro dar aos novos rapazes um bom fundamento de latim e francês", dizia Mathurin Cordier, um ex-padre, conhecido em toda a França como exímio mestre.
João Calvino foi um dos afortunados diante do qual Cordier desvendou o mundo da boa gramática. Cordier ensinava latim aos seus alunos, não permitindo que se tornasse uma língua morta. Ensinava-lhes o bom francês, libertando a língua materna das limitações que o homem da rua lhe impunha. João Calvino ficaria endividado a Cordier pelo bom fundamento que permitia-lhe escrever fluentemente em latim e vividamente em francês.
Vinte e sete anos mais tarde João Calvino mostrou a sua gratidão ao bom mestre dedicando-lhe o comentário a Primeira Carta aos Tessalonicenses. É apropriado que você esteja participando nos meus labores, escreve João Calvino na dedicatória. Quando meu pai me enviou a Paris, ainda menino a Providência ordenou que por algum tempo eu tivesse o privilégio de tê-lo como meu professor, para que eu aprendesse o verdadeiro método de instrução.
O rapaz de quatorze anos também impressionara o seu mestre de quarenta e seis. Tanto assim que, muitos anos depois, quando já velhinho, Cordier veio a Genebra para ensinar na academia fundada por João Calvino. Na margem esquerda do Rio Seine, entre os colégios de Paris, havia um que era conhecido como o mais antigo, o mais sombrio, e o mais sujo. Era o College de Montaigu, um educandário para o estudo de teologia. João Calvino transferiu-se para lá após três anos agradáveis no College de la Marche estudando as artes e as letras.
O Collège de Montaigu era famoso, mas não por bons motivos. Era famoso pelas pulgas, piolhos e comida ruim, e pelas vergastadas inclementes dos acoites que puniam os alunos preguiçosos e lerdos. Não se permitia a ninguém balbuciar qualquer palavra francesa. Somente o latim era ouvido nos corredores úmidos e escuros. João Calvino residia na casa amiga do seu tio Richard, mas os pobres internos tinham que acordar as quatro para estudar. João, também, tinha que acordar de madrugada para dirigir-se a cavalo aquele sombrio lugar.
Oh! quantos ovos podres eu lá comi! exclamou o sábio Erasmus sobre o ano que ele passara no College de Montaigu. O grande escritor francês Rabelais tinha uma frase interessante para descrever os piolhos que habitavam nas paredes, nas camas, e nos rapazes de vestes pretas. Chamava-os: Os falcões depenados de Montaigu.
O diretor desse educandário chamava-se Tempete. Os estudantes deram-lhe o apelido latino de "terrível tempestade". Antes dele o diretor tinha sido o empedernido Noel Beda, caçador-de-heresias e, agora, reitor na Sorbonne. Beda ainda voltava a Montaigu para ensinar a arte de debater em latim. Como é que se leva um porco a feira, pela corda amarrada ao pescoço ou pelo camponês que puxa a corda'? Os rapazes aprendiam a discutir horas a fio sobre tais tópicos ou outros mais érios.
João Calvino dedicou-se ao domínio de todas as suas matérias: os clássicos latinos, a lógica, e os escritos dos teólogos da igreja como Agostinho e Tomas de Aquino. Tinha dezoito anos de idade quando concluiu o curso e recebeu o grau de mestre. Seu estômago o incomodava com freqüência. Sua cabeça, as vezes, doia miseravelmente. Mas a sua jovem mente triunfou sobre tudo isso; estava afiada, disciplinada e pronta para ser usada. Felizmente, durante aqueles anos difíceis, João Calvino teve amizades. De vez em quando se encontrava com os amigos de casa, os irmãos de Hangest, sobrinhos do bispo. O seu primo Robert estava em Paris também. Robert tinha deixado Noyon, converteu-se à nova fé, e mais tarde ficou conhecido pelo mundo como Olivétan, tradutor da Bíblia para o francês e missionário Protestante às vilas localizadas nos Alpes franceses. Ninguém sabe com que freqüência os primos se encontravam para conversar sobre a Igreja de Roma e sobre as verdades bíblicas que estavam sendo comentadas por Lefevre e Lutero.
João Calvino consolidou novas amizades também. Era de se admirar como um adolescente, sozinho numa grande cidade, podia ser tão querido por gente de importância. O rei tinha um médico suíço chamado Cop, homem de muitas letras. João era amigo intimo dos seus quatro filhos, especialmente Nicolas. Visitava a residência Cop muitas vezes, ouvindo conversas fascinantes sobre novas idéias. Visitava, também, o lar de Guilherme Budé, o mais brilhante pensador da França. O filho de Budé era amigo de João. Havia outros amigos, pessoas incomuns também. Os seus amigos, outrossim, pareciam considerar fora do comum o jovem de Noyon.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home